3.15.2015

História Solta: Divergent


P.O.V  Katrina

 Hoje era o dia da escolha, eu estava nervosa.

 - Lizzei, eu... eu...

- Se acalme, querida. Vai dar tudo certo. Só siga seu coração. - disse minha irmã mais velha

 Meu irmão entra escancarando a porta do meu quarto.

- Pare de enrolar, idiota - diz ele se aproximando de mim

- Não estava enrolando, estava me vestindo

- Não levante a voz para mim, mocinha! Lembre-se que o papai e a mamãe morreram por sua  desobediência

 Uma pontada de dor apareceu no meu coração. Meus olhos se enxeram de água. Me aproximo de Troy e o encaro. Empurro-o para abrir caminho, ele segura meu braço e me empurra no chão. Quando me levanto do chão e ele me estapeia. Escapo dele e corro para fora de casa

- Não se atrase, babaca! - grita ele

 Sento-me no chão e choro, a dor sentimental era pior do que a física. Sinto alguém me tocando e por instinto me afasto. Era Newt. Eu o abraço. Ele sabia de tudo que acontecia comigo.

 Conhecia Nikolas desde pequena, ele é o meu melhor amigo. Estava claro que ele não sabia que o nome de era uma merda, então eu o apelidei de Newt, e é obvio que só eu o chamava assim. Claro que não me ajudava nas preças que eu pregava nos governantes da facção, eu nunca queria prejudicar ele.


 Um tempo se passou e nós já estávamos no centro da cidade. Estava na fila pra fazer a simulação, tudo ocorreu bem rápido.

- Seus resultados são...são...

- São o que?

 Ela se aproximou de mim e sussurrou:

- Você é diferente

- Como assim? - digo sussurrando também

- Você é... - ela estava tremendo, Trinyty estava tremendo - Você é divergente

- Oque? O que é ser divergente?

- É ter várias aptidões. Você teve aptidões para Erudição, Audácia e Amizade.

  Meus olhos se arregalaram

- Não...

- Tenho que alterar seus exame, você vai pra a Audácia

- O que? Não!

- Você vai estar mais segura lá, por favor não fale para ninguém, nem mesmo para sua família. Você vai para a Audácia.

 Sai da sala nervosa.

 Sentei-me perto de Troy.

- Não vai fazer burrada, cuzona - disse ele me ameaçando


 Minutos se passaram e finalmente chamaram meu nome.

 Caminhei té a parte central do salão e peguei a adaga e cortei a mão

 Havia um pote com terra, outro com vido, outro água, fogo e pedra. Primeiramente coloquei minha mão em cima do pote com terra. Amizade, penso, não. Deixei meu sangue escorrer no pote com fogo.

- Audácia - anunciou um cara

Olho para a plateia enquanto caminho para a fila dos iniciados da Audácia. Vejo Troy, ele está furioso, mudo o meu foco, procuro Newt, ele é o próximo.

Ele corta a palma da mão e derruba seu sangue no pote com fogo. Audácia. Ele corre até mim e segura minha mão

- Eu te amo - ele sussurra

- Eu também te amo - sussurro apertando a mão dele 


 Finamente aquilo havia acabado.

Nós estávamos  correndo em direção ao trem

- Vocês terão que pular - grita um homem, não o conheço

Escalamos uma estrutura de metal e pulamos no trem. Newt e eu nós deitamos no chão do trem.

- Foi fácil -digo 

Newt me beija

Nós olhávamos para o teto de metal esperando o tempo passar



Vimos pessoas pulando do trem

- Temos que ir.

 Eu e Newt pulamos.

-Ai!- digo olhando para o meu joelho machucado.

- Vocé está bem? - pergunta ele me ajudando a levantar

-Sim, estou bem- digo acelerando o passo para entrar na fila.

- Para vocês se transformarem em audáciosos é preciso passar pelo próximo teste.- disse um cara mais velho perto da beirada do prédio - Um salto no escuro! Quem vai ser o primeiro?

 Murmurios se iniciaram, porém niguém se pronunciou para ser o primeiro

- Babacas - sussuro para mim mesma

 Havia feito coisas piores na Amizade.

 Saio da fila e me aproximo do parapeito do prédio.

- Uma amigável, hã? - diz o cara, acho que o nome dele era Tay

 Fico cala e olhos para o buraco onde teria que pular.

 Era um buraco negro.

 Olho para Newt ele está apreensivo. Subo no parapeito e respiro fundo.

 Meu coração batia a mil quando pulei. O buraco parecia sem fim. Até que finalmente cai, não senti dor. Ao olhar para baixo, percebo que havia caído em uma rede.

- Nome? - pergunta um garoto de cabelos pretos.

- Katrina - digo enquanto ele me ajuda a sair da rede.

- Você sabia que pode trocar de nome? Tom - disse ele enquanto apontava para si quando falava seu nome.

- Trina - digo.

 Ouço um barulho atrás de mim. Newt havia caído na rede.

- Nome? - perguntou Tom

 Movi os lábios mas sem emanar um único som: Newt

- Newt

- Bem vindo á Audácia - disse Tom



Estava começando a me acostumar com a minha nova casa, a Audácia, até que é um lugar legar, sem contar com a parte dos treinos, na qual todos nós saíamos moídos, parecia que nós havíamos passado em um moedor de carne. Havia feito amigos, como por exemplo, Tom, agora ele e Newt era minha única família. 

 Já estava de noite quando eu encontrei eles.

- Oi - digo sentando-me no meio deles

- Olá - diz Newt beijando minha bochecha.

 Newt havia mudado, havia crescidos uns 5 ou 8 centímetros, havia ganhado massa muscular e peso, é claro que ele não estava gordo, ele continuava lindo. Tom havia mudado também, havia aprendido a confiar nas pessoas, havia aprendido a sorrir e á ser feliz.

- Ei - disse Tom - Tem alguma história sobre o que você aprontava na Amizade?

- Claro, tenho um monte. Hum... deixe-me pensar... - digo tentando me lembrar de alguma coisa interessante - Sabe quela noticia que apareceu no jornal dizendo que um galpão havia pegado fogo?

- Sim - disse Tom

- É, pois é, fui eu - todos riram

- Você?

- Sim, por que a surpresa?

- Você tem tanta cara de santa

- Santa-do-pau oco, isso sim - disse Newt rindo - Por que você acha que ela tem essas marcar?

 Newt estava apontando para minhas cicatrizes de surras. Meu coração apertou, e ele havia percebido o burrada que havia feito, ele tentou segurar minha mão,mas não o deixei faze-lo. Tom olhava para mim.

- Conte- me - disse ele com o olhar preso a mim.

 Suspirei e contei até três, contar aquilo fazia-me triste, cortava meu coração

- Desde de pequena eu era muito sapeca, aprontava ali e depois em outro lugar, sempre era detida e levava o soro da paz, que era um soro que te deixa mais calmo, muito mais calmo, minha mãe e meu pai odiavam quando eu fazia bagunça. Certo dia, logo após eu ter colocado fogo no campo de plantação de abóbora meu pai e minha mãe tiveram um ataque cardíaco e morreram assim que eu entrei em casa. Meu irmão estava lá, ele viu tudo. Mas eu ão conseguia mais para de fazer bagunça, toda vez que eu o fazia era castigada em casa, Troy dizia que era minha culpa, que eu havia matado meus pais, dizia que ia me castigar até a minha morte. - percebi que estava com os olhos cheios de lágrimas, enxuguei-as o mais rápido que pude

- Quer dizer que você apanhava na AMIZADE? - perguntou ele

- Sim 


- Não tem graça - revidou Newt 

- Eu achei estranho, tipo ela é da AMIZADE e apanhava dentro da AMIZADE

 Dei um soco no braço dele.



















oi oi oi e bye bye bye
kisses ang hugs by:

Nenhum comentário:

Postar um comentário